Guia Prático Para Renegociar Dívidas

    A gestão financeira é para qualquer empreendedor algo fundamental, pois apenas com planejamento consistente é possível que os negócios atravessem o que será provavelmente a maior crise econômica das últimas décadas. Por isso separamos algumas dicas, e ferramentas, para as empresas que têm dívidas e dificuldades financeiras.
    Talvez você, como empresário, já deve ter ouvido que, antes de pegar um empréstimo, é fundamental verificar a real necessidade e fazer um bom planejamento para garantir o uso dos recursos de forma otimizada, certo? Essa orientação está corretíssima e deve ser observada, pois o alto endividamento e falta de planejamento podem inviabilizar a continuidade da sua empresa.

    Mas o que fazer quando o empréstimo já foi contraído e a empresa está com dificuldade de colocar o pagamento em dia? O que fazer quando o recurso captado está causando mais problemas do que solução? O que fazer quando os impostos estão atrasados? O que fazer quando a receita não é suficiente para cobrir as despesas mensais e as dívidas estão aumentando? É hora de renegociar!

    Pensando nisso nos separamos aqui algumas dicas que podem ser vitais para negociar a melhor saída para os negócios que se encontram em dificuldades financeiras.

    Renegocie suas dívidas
    Na hora de negociar é muito importante estabelecer uma ordem de preferencia para o pagamento das dividas, devendo se priorizar sempre a seguinte ordem;

    • Débitos Tributários
    Impostos atrasados impedem a emissão de certidões negativas e limita a competitividade da empresa.
    Se for esse o seu caso, você poderá se beneficiar da Lei 155/2016, sancionada em 27/10/2016, que permite o parcelamento de débitos tributários em até 120 meses, caso a renegociação seja solicitada dentro do prazo estabelecido pela legislação. Fique atento para não perder essa oportunidade e verifique com seu contador alternativas para renegociar débitos tributários.

    • Fornecedores
    Os fornecedores são fundamentais para que uma empresa consiga manter os estoques no limite ideal e possa oferecer serviços com qualidade. Quando um elo da cadeia produtiva não vai bem, isso acaba afetando todos os demais. Por isso, o seu fornecedor tem interesse que a sua empresa continue competitiva.
    Numa boa conversa com ele, você pode negociar mais prazos para pagamento, conseguir eliminar a cobrança de multas e reduzir juros, além de assegurar a possibilidade de efetuar novas compras de insumos/matéria-prima ou produtos para repor o estoque.

    • Aluguel

    Se a empresa funciona em imóvel de terceiros e o aluguel está atraso, a melhor alternativa é abrir o diálogo com o locador. Lembre-se que é importante para ele que o imóvel esteja alugado.
    Você pode pedir um prazo maior sem multas, um período de carência ou um desconto temporário no valor do valor contratado, pelo menos no período de maior sufoco.

    • Dívidas Bancárias
    Dívidas bancárias em atraso provocam altos juros e travam o crédito da empresa. Numa situação dessa, a empresa precisa falar com o gerente do banco para renegociar os empréstimos atrasados ou encontrar uma forma de capitalizar a empresa com recursos menos onerosos, como acontece com o uso de cheque especial, por exemplo.
    A principal dica para a empresa que está endividada é: não deixe a dívida crescer, pois o problema tende a aumentar de forma exponencial, tornando-se uma grande ameaça para a própria existência do negócio.
    Quem tem problemas financeiros não consegue evoluir. E, para recuperar o caminho do crescimento, é preciso verificar a natureza da dívida, checar o motivo da falta de recursos para, então, negociar a dívida com o credor da empresa.

    • Financiamentos do FAMPE
    Caso você tenha optado por aderir a um financiamento que conta com o suporte do funda de aval para micro e pequenas empresas do SEBRAE, que tratamos no Boletim Informativo Nº 02, e necessário observar alguns passos especiais.
    Evite o Superendividamento
    Para encerrar as orientações deste guia aconselhamos que você como empreendedor evite sempre o excesso de endividamento, uma vez que na maioria dos casos o volume do endividamento de uma empresa se deve geralmente ao fato de que, quando o empresário de uma pequena empresa pensa em captar mais dinheiro para o negócio, os empréstimo são a primeira palavra que vem à mente.

    Mas você, que empreende, já pensou que reestruturar a empresa e cortar gastos pode representar um grande diferencial nos seus custos finais, evitando a necessidade de contratação de empréstimos?
    Se você ainda não considerou alternativas para obter liquidez para seu negocio talvez seja o momento ideal para repensar suas escolhas, melhorar seu processo de gestão, tendo como foco a redução de despesas e a melhoria das suas receitas.
    De toda forma é ainda valido considerar que a sua empresa pode receber aportes de investidores. E não pense que os investidores estão interessados apenas em negócios que já estão mais consolidados: há grande interesse pelos negócios que estão começando também.
    Sendo assim realizando melhores escolhas de gestão, e estudando com cuidado a possibilidade da renegociação de dividas, com enfoque na troca de opções de credito mais caras por outras mais baratas, você provavelmente irá conseguir fazer com sua empresa supere as dificuldades do mercado, e possa em um horizonte próximo se reestabelecer.